Ações da alma Humana · Alma masculina · Amizade, Paz e Amor · Mulheres, Fêmeas, Feminino · Opinitivo e Pessoal · Reconhecimento · Relacionamentos, casamentos e contratos

Por carinho, por afeto, por atenção e também por obrigação.


Depois de muitos anos junto a mesma pessoa, unidos por compromisso de casamento, de papel passado, com testemunhas, juiz de paz, padrinhos (não mágicos), correria no dia do casório, fotos e diversas lembranças daquela tarde, que, evidente está num passado já distante tomando por padrão a idade média de vida dos brasileiros, já existem elementos entre eles que já não tem, e não é mais como certas coisas, eventos, e conceitos eram no inicio. Acontece que chega um momento que certas atitudes antes vista com um olhar de carinho, atenção, desejo, inexplicavelmente, muda sua propriedade e forma. Deixa de ser visto como carinho, afeto, amor, dedicação para algo mais impositivo: é sua obrigação!

Em uma pesquisa recente que fiz com algumas centenas de pessoas, todas casadas e vivendo no mesmo teto, compartilhando de sal a cobertor, tenho as informações de que esta mudança é automática com o tempo. Se, no inicio do relacionamento o parceiro tem uma maneira de tratar as companheira, seja lá o que for o hábito, como, por exemplo, ao deitar beijar a esposa, e cobrir, e ou leva-la à cama, levantar no meio da noite para lhe pegar água, remédios, quem sabe, dar-lhe banho todos os dias, esfregando lhe as costas, os pés, pernas e tornozelos, isto, com o passar do tempo, com a repetição e o prolongado comportamento gera entre as partes um compromisso obrigatório, é como, que o ato, ainda que de carinho e cuidado, passa a ser a obrigação de fulano a dar-me banho.

Isto é tão verdade que se uma destas atividades for esquecida ou deixada de ser executada, é vista como falta de cumprimento das obrigações e se questiona a qualidade dos sentimentos. MInha esposa ainda quando éramos noivos disse: “Se não vai conseguir repetir a vida toda, não faça a primeira vez.” Esta frase me foi dita quando esqueci de levar a toalha para o banho. E, ainda que, a mãe dela tenha protestado ela foi categórica: “Eu não vou querer ficar levando toalha para ele todas as vezes que ele esquecer, então, não faço a primeira vez.” Quase vinte anos depois esta é uma das regras vigentes. Por mais que possa parecer falta de carinho, falta de atenção, cordialidade, e gentilezas.

No entanto, a constante demonstração de carinho, atenção, afeto e que inevitavelmente há atitudes envolvidas, com o passar do tempo, o carinho demonstrado, a atividade realizada como demonstração de afeto, carinho e atenção, automaticamente gera uma rotina de obrigação. Eu não reclamo, pois, sei da natureza dos eventos. E de fato, com o tempo, toda atividade que fazemos tornar-se em breve uma obrigação. A obrigação de levar o lixo nos dias de coleta foi uma atenção simples: carregar peso. Eu achava que o lixo estava pesado para ela levar. Fiz tantas vezes que passei a ter a obrigação de fazê-lo sempre, por que ela já confiava que Adão tá fazendo sempre. E certos dias tiveram que desobrigar-me da obrigação, pois, a vez que eu saia mais cedo para o atendimento, e o lixo não estava pronto para ser transportado, tive que ouvi reclamação do tipo: por sua causa, o lixo não foi coletado. Dai se estabeleceu nova regra e novas tarefas obrigatórias. Não é que alguém diz para você: é sua obrigação. É mais uma questão de consciência e responsabilização. Eu mesmo me condiciono a estas tarefas e atividades.

Eu tenho várias e constantes obrigações dentro desta família. Mas, é como eu sempre digo ter família não é para todos. Alguns seres humanos sabem perfeitamente reproduzir, mas, são inaptas as famílias e as obrigações, aos carinhos, aos afetos que esta instituição é capaz de proporcionar a todos aqueles e aquelas, que por afeto, carinho e atenção, se obrigam a certas obrigações voluntárias e conscientemente. Sem rancor. Sem escravidão. Sem sou um cativo de minhas obrigações familiares, e com gosto!

Anúncios

3 comentários em “Por carinho, por afeto, por atenção e também por obrigação.

  1. Olha …. eu não suporto essas pegações e melações matrimoniais!! Quer me agradar? Dê-me flores, trate bem a minha familia, não largue as cuecas e meias no chão, lave as louças e não fume dentro do quarto ! Pronto…serei uma esposa e companheira 50% dedicada….os outros 50% fazem parte da minha privacidade ! kkkkkkkkkkk

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s