Ações da alma Humana · Alma masculina · Comportamento de homens · Comportamento Social · Geral, amplo e irrestrito · Opinitivo e Pessoal

Família: como educar os filhos?


Nesta tarde de domingo fui ao mercadinho comprar uns biscoitos, ovos, doce de leite para minha esposa, café e também uns analgésicos. Lá estando vi quando o dono do mercadinho foi atender umas garotinhas. Quando eu pedi os analgésico e perguntei pelo preço a loirinha se intrometeu e disse:

– Você tá roubando viu?. Como é que um comprimidinho deste pode valer setenta e cinco centavos? Isto é um roubo? Você rouba todo mundo aqui!

Ele olhou a garotinha de alto a baixo. Eu também olhei-a! Era muita má educação, muito atrevimento. Muita reação sem ter havido do outro lado nenhuma ação. E assim que peguei as demais coisas a menininha loira de olhos azuis disse mais umas palavras duras e difíceis de se ouvir, ainda mais de uma criança naquela idade. Porém, como eu, não fazia parte do dialogo fiquei quieto no meu canto. Acho eu, que ela não aguentou me ver ali parado sem ter um lado. E então falou para mim:

– Você é muito besta viu? Ele tá te roubando e você não vai fazer nada?

Bom, ai, ela provocou em mim, aquela pessoa que há em mim, e que eu classifico como: a pessoa complicada de convivência e que reage às palavras na mesma intensidade com que elas me chegam.

Talvez eu seja assim por que, na idade desta criança, se eu tratasse um senhor, uma pessoa adulta da maneira como ela tratou o Roberto, além da reprimenda, certamente, teria que prestar contas a meus pais do comportamento desrespeitoso, e certamente, jamais ficaria sem umas lapadas no dorso seco e quase de ossos expostos. No entanto, nos dias de hoje, se você, falar qualquer coisa com estas crianças intrometidas, mal educadas, sem senso de ridículo, sem ainda ter senso moral e ético formado é bem possível ter que responder aos pais delas e na justiça por ter falado tais coisa para ela. Mas, eu prefiro correr o risco e então emendei:

– Olha criança! Para sua idade, você tem muito atrevimento para meu gosto. Não se intrometa na minha conversa. Não pense que eu sou educado o suficiente para não dizer a você o que você tem que ouvir. Então, não se intrometa comigo! Não te conheço, mas, não dirija a palavra a minha pessoa.

Mas, ela não se deteve. E me provocou de novo, e novamente. “oxe! oxe! que nervosinho” Ai! ela ouviu o que não tinha que ouvir! E, foi então desmascarada ante as coleguinhas. Pois o dono do mercado tirou dos bolsos dela, várias pequenos objetos “não comprado”.  Deu-lhe um carão entre as amigas, que também estavam envolvidas na trama e no roubo dos bombons, balas e biscoitos. Uma delas, já da porta disse: “runbora daqui, e nunca mais eu volto aqui. Nunca mais eu entro aqui”

Ou seja, elas já estavam combinadas na trama. Uma pequena formação de quadrilha com pequenas garotas. Não tem, todas elas, juntando as idades, não mais do que uns 30 anos. Pelo tamanho e caras, 6, 7, 8 e 9 anos de idade. Mas, já se ajuntam para roubar. Não quis intrometer mais do que intrometi, uma vez que discordei da proposta do dono do mercado:

– Eu não vou falar com ninguém! Nem com sua mãe, nem avô, nem avó. Mas, não quero que você venha aqui roubar novamente. Se quiser pode até me pedir, mas, roubar não!

Eu, ainda sou dos que diria para os pais e familiares do que elas fizeram. No entanto, ele não deixa de ter razão na observação que fez:

– Os pais delas são complicados. Se eu for reclamar com eles e dizer isto, vão dizer que eu estou inventando conversa. Pois, eles mesmos não conhecem os filhos que criam.

Anúncios

Um comentário em “Família: como educar os filhos?

  1. Apesar de ser bem mais novo que meu irmão mais velho, o rapaz acima, fui criado pelos mesmos pais dele, e sim, também aprendi a respeitar os mais velhos e a não responder ninguém com grosseria. Mas infelizmente, nos dias atuais, os pais estão tendo o seu direito, de corrigir os filhos, retirado deles. Como resultado, vez por outra, temos que passar ou presenciar cenas como a citada acima. Mas ainda é possivel que nos dias atuais, os pais possam criar filhos responsáveis. Nem sempre será fácil, mas o esforço vale a pena. Se meus pais, não nos tivessem criado com disciplina, talvez não esivessemos vivos hoje. Agradeço à eles, seu Raulindo e D. Maria Eulália, por nos criar ensinando o valor de se respeitar os mais velhos.

    O site abaixo pode ajudar os pais a criar filhos responsáveis nos dias atuais.
    Procure a Despertai! de Outubro/2011

    http://www.jw.org

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s