Sem categoria

Solucionadores da vida alheia!


Ontem eu cheguei numa empresa para a realização do serviço contratado. E, confesso que não sou lá uma pessoa muito sociável, quando o mundo exige uma certa dose de hipocrisia para se ocultar a situação, e, por tabela, passar otimismo para as demais pessoas. Já é lei de que devemos viver a sorrir, responder sempre que: tudo bem, ótimo, legal, … e com um objetivo só: dizer que estar bem, quando não estar, para ficar. Bem, eu penso que tal atitude é uma idiotice.

Desde quando meu filho apresentou um quadro de saúde adverso que recebo comentários diversos a respeito da situação, e conselhos de como devo viver a partir de agora. Os comentários são os mais estranhos possíveis.

As intromissões no meu recinto intimo são constantes, e até parece, que há a disposição de todos, um parlamento. É como se eu não mais tivesse o direito de se indignar com nada. É como se eu não mais tivesse motivos para reclamar. Algumas pessoas me tratam como um devedor eterno. Um homem que jamais poderá deixar de ir a igreja, que jamais devo abrir a boca para reclamações e lamúrias.

Você não pode ser assim!

Esta frase: você não pode ser assim, sempre a ouço quando afirmo: não tá nada bom! Como foi o episódio de ontem. Amanheceu o dia, e eu estava muito bem. Porém, depois das nove da manhã, um mal estar me abateu em plena manhã. Voltei para casa e a disposição do dia se esvaiu. Dores nas pernas. Indisposição geral. Dores no estômago e tudo que comia e bebia intensificava a situação. Numa situação desta, como é que vou dizer: eu estou bem! Estou ótimo! Está tudo maravilhoso.

Por não seguir este padrão idiota de dizer que tudo vai bem, quando não vai, sou taxado de rebelde, intolerante, ingrato. Pois, bem eu não irei dizer para você que estou bem quando estou mal. Jamais. Não tenho esta face hipócrita positivista.

Isto é falta de Deus

Nada mais idiota do que atribuir à falta de Deus quando alguém sofre, quando alguém sente dor, quando alguém passa por dificuldades. Até PARECE que Jesus não morreu crucificado; que Maria não o viu sofrer, morrer e ter sido sepultado, que os discípulos tiveram mortes horrendas, que o profeta Isaias não fora serrado ao meio, que o profeta Jeremias fora jogado numa fossa e ficou com merda até o pescoço, que os amigos de Daniel não fora jogado aos leões, que seus amigos não foram jogados na fornalha ardente, que a sogra de Pedro teve febre, que as guerras mataram milhares de cristãos, que Roma perseguiu e matou outros milhares… pela lógica da frase, tudo isto é Falta de Deus… é?

As pessoas olham para mim e deduz que em mim não existe nenhuma fagulha, nenhuma atividade, nenhuma ação de Deus. Julgam-me um homem sem alma, sem entusiasmo, e tudo, e tão somente porque reajo a vida, a dor, ao sofrimento.

Não é assim que se educa.

Quando se olham para meus filhos julgam que os meninos são mal educados, que são livres demais, que tem dengo demais, que se exige demais deles, que facilitamos demais, que ajudamos demais, que auxiliamos demais, que protegemos demais, que fazemos os gostos demais… etc. No entanto, somos também criticados por exigirmos dele comportamento ético, moral, social.

Outro dia uma outra mãe estranhou o comportamento de Kátia quando se posicionou contra a frase: prendam vossas cabritas que meu bode tá solto. Ah! Foi um Deus nos acuda, quando souberam que aqui, o bode não é menos responsável com as cabritas alheias. Pensamos que isto é respeito, é responsabilidade. Não estamos numa época em que se deva permitir estas transferências de responsabilidades para a família ou para a outra parte. Não mesmo!

Positivistas X Realistas

Não somos negativistas. Eu, até admito ser pessimista, mas, é o tipo de pessimismo que me ajuda a evitar acidentes e outros eventos piores. Como foi no evento em que intervir e impedi um certo médico que queria cortar o caroço no pescoço de Kaio. Na época, o meu pessimismo, me levou a questionar: o que vai acontecer depois do corte? Que tipo de reação o corte desencadeará? É este o meu pessimismo: se isto não der certo, o que tenho que fazer para endireitar?

Não somos do tipo de pessoa que quer sempre ver um lado positivo. As vezes não há outro lado, a não ser a dor e o sofrimento, e pensamos que tal atitude de encarar a situação real é melhor do que ficar pensando positivo, falando palavras bonitas na esperança de que a situação, por isto, se resolva. Nós preferimos agir. Encarar a realidade do que ficar pensando positivamente.

Conclusão

O fato, é que os solucionadores da vida alheia, tem sempre um conselho para dar a mim. Os eleitos do reino dos céus estão sempre a me pegar pela mão para levar-me ao caminho que ele julga ser o da verdade, e os educadores de manuais sabem exatamente como devemos educar nossos filhos. No fim, são só isto mesmo: solucionadores da vida alheia.

O resumo, é que, uma amiga pagava as visitas numa clinica com uma determinada psicóloga. Nas entrevistas, o objetivo era auxilia-la na manutenção da família, dos filhos, do esposo, do trabalho, e como viver bem e melhor. A decepção foi ao descer, encontrar a dita psicóloga em lágrimas copiosas! O motivo: o marido tinha uma amante, tinha dois filhos com a amante e ela não sabia como resolver a situação!

A vida é assim! Faríamos bem em acatar, e usar em nossas vidas, os conselhos que gentilmente damos aos outros!

Anúncios

4 comentários em “Solucionadores da vida alheia!

  1. Adão Braga! Adão Braga! Eu te entendo e sei do que reclamas. É este mesmo o cenário! Então! Vamos lá! Sra Beth: não é o caso! Suas palavras iniciais não se encaixam na reclamação de Adão Braga. Não é o caso de a vida dele estar ou não pública. Não é o caso de ele deixar as pessoas saberem que sente dor, que passa por problemas. O fato é que aqui, e também ai, tenho esta certeza, as pessoas religiosas querem e atribuem todo tipo de situação, sofrimento, desespero, angustia, acidente, tsunami, a falta de Deus. O pneu furou: falta Deus! Vendeu e não recebeu: é falta de Deus. Deus virou um apolice de seguro contra qualquer tipo de coisa, evento, situação. Tá tudo bom: É Deus! Tá tudo ruim: É falta de Deus.

    Adão Braga na terça-feira, estava e tinha Deus. Na quarta-feira, às 10 não tinha mais Deus. Pelo que sei foi isto. As pessoas comentam sobre as outras. Isto é normal e humano. Mas, ao encontrar uma pessoa evangélica que te mensura, que mede toda a vida e de sua família, e diz: Não é o caso meu filho, de isto estar acontecendo com você, e sua família porque vocês estão afastados de Deus?

    Doença. Morte. Sofrimento! Dor! Fome! Dificuldades! Pressões. Tudo que te acontece as pessoas religiosas estão sempre arranjando um elo de ligação com a religião e com Deus, em especial, se a ocasião for propícia para um convite para uma reunião evangélica.

    Basta saber: Soube de fulano de tal? A esposa caiu e quebrou a perna, vai ter que fazer cirurgia! Vai ficar com sequelas e já chega alguém dizendo: isto é falta de Deus! Eu concordo e afirmo mais: falta um melhor conceito sobre Deus para os religiosos!

    Nem precisava, mas tudo bem! Obrigdo pela defesa!

  2. Incrivel! Beth discorda…sinceramente, nao temos (eu e voce) nada pra trocar, tipo confetes e firulas…Parece (se eu entendesse da biblia) fora eu que escreveu o texto. Como somos parecidos Daozin…Como…Estou pasmem… Beijos, somos nós os tres!

    Beth as vezes discorda só pra me provocar, zoar! É fato!

  3. A partir do momento que eu me disponho, de alguma forma, a expor meus problemas, dilemas e celeumas também estarei, em tese, abrindo a porta da minha casa a criticas, a concordâncias e discordâncias de outrem. As vezes, o desconfiômetro em relação a vida e ao sistema pode ser interpretado como negativismo por quem me rodeia. E quem gostaria de estar ao lado de alguém negativo? Pô o dia-a-dia já é por demais carregado, putz e ainda tem alguém do lado que só fica de lamúrias? Socorro!!! …eu devo ser um chute no saco escotral.

    Ahh tá bom… a vida tá uma merda…tá tudo muito complicado: os empregos, as relações, a sociedade, os amigos, o motorista de ônibus é um irresponsável. Está dificil criar filho, ter a casa própria, fazer poupança, sonhar com àquela viagem à Paris…putz…até sonhar está dificil; e ainda tem gente que é terrivelmente feliz banguelamente falando. Mas será que no meio de tanta lama eu sou a errada em discordar de tamanha sedação de felicidade? “Gente…o carnaval acabou…chega de ser feliz!” Ou será, que na verdade, me perdi de minha sensibilidade? Prá que, ora bolas, vou procurar explicação na beleza da flor de lotus ou naquele cara tocando saxofone enquanto o sol se põe em uma praia qualquer? É muito mais fácil buscar explicação para a miséria, para o feio, para o fétido, para a carga tributária, para os politicamente incorretos…

    Na maioria da vezes, nós queremos ser vistos, ouvidos, entendidos, compreendidos, sentidos… mas poucas vezes nos permitimos ver, ouvir, entender, compreender, sentir. E, quando alguém diz algo que não vá de encontro ao que desejamos ouvir, a terceira guerra mundial começou. Mas o mundo não gira em torno do meu umbigo. E olha que tenho um umbigo bem lindo…mas não é o umbigo do mundo…é o meu umbigo.

    Mas como bem disse Shakespeare: Um dia você aprende…

    Ou não…

    que as maiores mudanças estão dentro de você, dentro do seu pequeno universo…e para elas acontecerem, só depende de você.

    Eu entendi! E, respeito a divergência. Mas, leia novamente para ver se consegue ver uma outra pesperctiva do texto, senão, farei como disse Jesus: “Mateus 21.44 E quem cair sobre esta pedra despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó.”

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s