Alma e vida feminina · Alma masculina · Amizade, Paz e Amor · Assuntos da Alma · Comportamento de homens · Inteligência e Espirito · Lembranças e Nostalgias · Mulheres, Fêmeas, Feminino · Reconhecimento · Relacionamentos, casamentos e contratos · Vidas

Uma mulher atrevida ninguém esquece!


Hoje é aniversário de Maria Aparecida. Quem é ela? Bem, a história é longa, mas, envolve uma grande e também antiga situação. Foi a primeira mulher ATREVIDA que conheci. E eu tinha apenas 13 ou 14 anos.  Antes de ir adiante, veja a imagem abaixo e leia as explicações.

Nanuque_-_Vista_de_Cima

Se não estiver visível, clique para ampliar.

No circulo vermelho eu morava. Meus pais ainda moram ai. Esta é a avenida Anhanguera. No círculo azul, é a casa onde Cida morava. Na avenida Olival. E no círculo verde o Cine Orion. E  marcação em em linha com círculos pretos, era o baixo meretrício, a fuzarca, o mercado de mulheres… ai, neste lugar vi alguns e ou muitos eventos sinistros. Mais adiantemos. Não tem importância agora. Nesta área do rio, posso dizer que conheço até hoje, onde tem pedras. As areias não, por que elas descem rio abaixo.

natalia-do-valeCida era uma garota bonita. Hoje, quando olho para Natalia do Vale, me lembro perfeitamente do rosto dela.  E porque foi a primeira mulher atrevida que conheci? Por que foi, e vos conto.

Cida tinha aquela aparência de menina bonita, mimada e cativante. Na casa dela, muitas vezes a olhava dançar um grande sucesso de Madonna. Ela colocava a música nas alturas e dançava na sala. Rebolava que só. Logo me vi apaixonado por aquela exibicionista da sala, e da beira do rio mucuri. Que sentimento louco. Uma mistura de tudo em mim. Até aprender a dançar eu tentei. O que uma mulher não faz com um homem? Imagine em um menino no inicio da época de acasalamento!

Certo dia, eu recebi um pequeno papel branco com uma frase:

– Vou no cinema domingo!

Certamente isto era um “aviso-convite”. E, eu fiz de tudo que podia para ter dinheiro naquele domingo. Meu pai mandava eu comprar um quilo de carne. Eu comprava 800 gramas. Tudo que ele mandava fazer eu tirava uns trocados, por que naquela época, a situação era outra.

Quando ia para o cinema, encontrei uns colegas. Um deles estava animado com a certeza de que lá encontraria também o amor de sua vida. Isto mesmo: ela!

Daí por diante fiquei com a pulga atrás da orelha. E, um turbilhão de pensamentos. Será? Porque? Como? Qual propósito? Por isto, não a procurei no cinema. Entrei e subi para a parte superior do cinema.

Lá pras tantas do filme, ela chegou e sentou ao meu lado. Meu coração acelerou. E tive a certeza de que fizera a estratégia correta. Deixei-a decidir se iria ou não me procurar. E ela não só procurou. Ela me achou. E ali estava. Junto a ela, estava o outro. Ele falava muito. Conversava demais. Puxava conversa. Ela nem ouvia. Virou para mim, e nada disse.  Virou-se para a frente e ligeiramente esticou a mão e enfiou entre os botões de minha camisa. Um arrepio me subiu no corpo. E, o sujeito lá falando, falando e falando.

O atrevimento dela não foi recompensado. O outro havia ido para o cinema com a certeza de que namoraria com ela que fiquei apenado dele. Nada fiz.  Isto eu lamento todos os anos. Todos os 31 de agosto depois daquele ano me lembro dela. Tal sentimento me acompanha desde sempre.  Sacrifiquei meus sentimentos para não ferir os sentimentos daquele outro? Não sei! Sei que Cida entrou em minha vida e permaneceu.

No dia seguinte, ela estava lá na beira do rio. Usava um pequeno guarda-sol rosa. Chamou meu nome e correu! Lembro-me dela com carinho. E, vários sinais me trazem as boas lembranças dela. 

Todos os anos escrevo sobre ela. Acho que é uma maneira de compensar aquela sessão de cinema que eu não aproveitei. Uma tentativa de justificar e querer mudar o que não deixei acontecer. O que seria de minha vida se tivesse sido?  Naquela noite teria acontecido o primeiro beijo. A primeira namorada. A primeira mulher bonita que eu teria pegado. Teria sido, mas não foi. Eu, pensei no outro, que certamente, não pensava em mim. Frustração total hoje, olhando aquele dia. Mas, hoje, aonde estiver. Se viva ainda estiver. Como estiver:

Cida, hoje eu te desejo feliz aniversário.


Anúncios

3 comentários em “Uma mulher atrevida ninguém esquece!

  1. Sim, meu caro amigo Adão, eu moro em Nanuque MG, e também me apaixonei por uma baixinha quando estava no 2º ano na E. E. Stella Matutina, e estou apaixonado por ela ate hoje, rolou uns beijinhos e só, ela foi embora e só me disse um adeus… Eu esperava algo mais, só um adeus… Mas fica aqui meu desabafo. O terrinha para fazer paixões impossíveis…

  2. adorei sua estoria, com ela passou um filme na minha cabeça, pois me considero uma pessoa estratevista como vc e atrevida como cida, só tenho uma diferença de vc pois quando eu fazia a minha estrategia eu ganhava e realizava o q eu , por isso nao deixe passar mais as chances que vc encontar pela frente.Abraços

  3. Além do desenrolar da trama, que por sinal marcante, o que me chamou muito a atenção foram todas as indicativas geográficas. Tem coisas nesta vida, que nos perguntaremos eternamente, Por que?

    Abraço

    Obrigado Querida! É verdade sim a pergunta. No entanto, não devemos ficar em buscas de respostas a certas perguntas. Muitas vezes não recebemos, nem encontramos. O certo é seguir adiante!

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s