Ações da alma Humana · Alma e vida feminina · Alma masculina · Relacionamentos, casamentos e contratos · Vidas

O trabalho, a família e as realizações pessoais!


Semana passada encontrei uma amiga que disse estar sentindo minha falta na empresa.

– Nunca mais você foi lá. – Disse ela para mim -  Estão chamando um rapaz para consertar os computadores, mas ele, não transmite segurança. Porque você nunca mais nos atendeu?

A resposta, como sempre curta, claro e concisa:

– Querida, eu não me submeto a certas chantagens para pessoas que eu tenho certeza, e digo: EU TE AMO, vou me submeter a certas situações por dinheiro? Nem que!

– É querido! Por amor a outros não sei, mas vejo nesta atitude seu amor-próprio. Você tem auto-estima e dela faz bom uso. Eu bem que gostaria de poder me desprender daqui, mas, o dinheiro fala mais alto.

Nós temos condições de viver melhor sem ter muito dinheiro e estar preso ao sistema escravocrata capitalista. Temos meio de melhorar nosso convivio e nossa saúde mental, emocional e corporal. Não precisa tanto de dinheiro, mas necessitamos muito de vontade. Temos urgência em aprender a viver com o pouco, mas, com qualidade, pequenas atitudes. Pequenos gestos. Pequenas mudanças. Grandes resultados.

Kátia tem o hábito de mudar sempre a mobilia de lugar. È uma atividade normal e corriqueira para ela, no entanto, ela mantém o ambiente sempre limpo, cheiroso, e atrativo. Isso faz com nós, os moradores, nos sentamos melhor, com um cheiro diferente. Não usamos pedras, nem cristais para harmonizar o ambiente, nós somos as pedras, nós somos os cristais, e nos esforçamos para estarmos sempre reluzentes, e brilhantes. Nem sempre é possível, mas nós nos esforçamos.

O dinheiro é importante na vida de cada humano. Quem não tem dinheiro nem sempre é bem visto, nem sempre é bem recebido, nem sempre é bem tratado. (Leia esta história que Julie publicou). Mas, mesmo com pouco dinheiro, procuramos sempre ter uma alimentação agradável. Nem sempre saudável, mas sempre o que nos agrada o apetite.

Numa família, saber o que cada um gosta de comer é importante. Pedro por exemplo, não gosta de Coca-Cola e Kátia não gosta de Fanta Uva, a predileta de Pedro. O que fazer? Ao invés de dois litros de coca-cola, 1 litro de coca-cola, 1 litro de fanta uva e ambos ficam contentes e satisfeitos. Kaio come todo tipo de verduras, legumes,  frutas e carnes. Pedro é seletivo, e não pode comer tudo que deseja.

Não somos negativistas, mas, não somos um exemplo de positivismo e otimismo. Procuramos eliminar o que faz mal, e buscamos o que nos torna alegres, contentes e que nos proporciona prazer. Estamos juntos em momentos difíceis, e nem sempre juntos nas alegrias de cada um, todavia, mesmo que ausentes, demonstrando conhecimento da evolução e sucesso obtido. Acompanhamos e apoiamos cada um em seus desafios, empreitas e atividades.

As crianças na escola, recebem atenção, acompanhamento, e cumprimento às regras, leis e estatutos. Se estão corretos, procuramos não desautorizar os professores na presença dos mesmos. Vocês sabem: não se pode dar asas a cobra! De tudo que eles pedem, menos da metade lhe é concedido. Qual humano mediano consegue tudo na vida? Então, porque motivos, dariamos tudo que nossos filhos pedem? De jeito maneira! Temos que colocar limites.

Nossos valores, nossas vontades, nossos preceitos morais, espirituais e emocionais não tem preço. Por isso, digo que há situações que nem por amor ás pessoas que amamos, nós cedemos, porque motivos nos rebaixariamos por dinheiro? Em hipose alguma.

Depois de uma breve conversa com esta amiga, ela me contou como ela tem trabalhado naquele ambiente. São certas humilhações, certas palavras agudas que ferem, magoam, e mina nossa auta-estima. Certos trabalhos, faço por amor, outros nem por todo dinheiro do mundo.

Anúncios

4 comentários em “O trabalho, a família e as realizações pessoais!

  1. Putz…estou a dias tentando comentar esse teu texto. E sabe que não consigo? 🙂 É o que vejo muito pelo lado empresarial. Não acho que seja um rebaixamento pelo dinheiro, como você disse ao final, mas sim uma submissão ao mercado de trabalho. Ih…daqui a pouco vou citar Max Gheringuer e outros gurus.
    Mas pense de outra forma, no caso de sua amiga. Talvez ela se sinta segura onde está, apesar dos contratempos. Talvez ela não esteja tão qualificada para encarar disputas por vagas. Talvez a cidade onde vocês morem não ofereça à ela tantas oportunidades a ponto dela sair de um e partir para outro.
    Enfim…sei lá!!! Cada um sabe as contas que tem no final do mês para pagar neh?

    Beijocas e boa semana para ti

  2. Sou como tu Adão. No meu último emprego, no último dia eu não aguentava mais aquilo ali! Me lembro como se fosse hoje… Era de manhã cedo eu tinha chego no escritório e das 5 pessoas que trabalhavam ali 4 me chamavam… Sabe o que eu fiz? Peguei minha pasta, deixei a chave em cima da minha mesa ( que seria ex – mesa) e fui embora! Me demiti por telefone.
    Trabalhava das 7:00 ás 20:30 , ficava pouco com meu filho… Nào aguentei! Hoje faço o que gosto, ganho um pouco menos mas ao menos tenho a vida com menos stress.
    Abraços

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s