Ações da alma Humana · Alma e vida feminina · Alma masculina · Conspiração Revelada · Mulheres, Fêmeas, Feminino · Relacionamentos, casamentos e contratos · Vidas

“A primeira noite de amor”


Tem certos programas da televisão que não me conquista pelo conteúdo. A novela global do matinê denominada de Malhação, é um destes. E o motivo é simples, este ano, em todas as vezes em que pude estar na frente da TV no horário da mesma, o assunto foi o mesmo, com personagens diferentes.

E qual era mesmo o assunto? Sexo entre jovens e adolescente, e a repetição do bordão e clichê dos autores novelescas: “minha primeira noite de amor tem que ser especial, com alguém escolhido para este momento”. Estão criando o mito da “primeira noite de amor”

Não que eu seja contra estarem preparados e buscando uma noite de sexo e amor; que são diferentes entre si. Todavia, o assunto deve ser tratado não da maneira promiscua, irrelevante, superficial, artificial e descompromissada como é apresentada nesta sofrivel telenovela.

A telenovela, ao contrário de trazer esclarecimento, apresenta a desinformação quanto ao assunto, em especial, promover o MITO do quanto deve ser ESPECIAL a primeira vez de uma jovem adolescente, e também, em insistir no tema como se todos os jovens ao aparecer os primeiros pelos pubianos, sejam obrigados a terem a primeira experiência sexual.

A insistência deste tema, se torna incomoda, a ponto, d´eu ter ficado com a impressão, de que, “A PRIMEIRA VEZ” para as jovens e adolescente ser algo a ser buscado de qualquer forma, maneira, e aproveitar toda e qualquer oportunidade para tal realização, e será traumático, e uma vergonhosa experiência se fracassar em obtê-la, e ou se demorarem para se ter a tal “primeira noite de amor”.

A profundidade da apresentação do assunto me impressionou quando vi e ouvi o dialogo entre os personagens. Em quase todas as cenas vistas, e abaixo copiadas e coladas do site da Globo, é uma jovem, com fortes expectativas, e vibrantes planos para uma noite especial, “quando ela daria pela primeira vez”. Sendo esta a oportunidade para seu especial namorado, aproveitar de seu inexplorado corpo e das regiões recém emancipados a segredo de estado da personalidade feminina.

Querem tratar o assunto de uma maneira moderna, atraente, mas, estão fazendo de forma irresponsável, e também disseminando falsas idéias quanto ao sexo, e os desejos masculinos e femininos.

Uma das personagens chorou e declarou que havia cancelado seus planos de entrega total, uma vez que ele nem lembrava daquela data. Aquele dia era especial, e por ele, não ter lembrado a data, significava que ele era imaturo, infantil, e assim, por este motivo foi desclassificado para ser aquele ESCOLHIDO para a defloração.  Ou seja, a primeira noite também é uma especie de prêmio para alguns felizardo, escolhido a dedo, pela única capaz de fazê-lo: a dona da virgindade.

A apresentação de tal situação, me levou a questionar a inteligência feminina, não do gênero, mas, da classificação e tipo de mulher apresentada na telenovela. Eis abaixo reprodução de um outro dialogo:

Norma Jean – “Ai, Veri, quando você dá esse sorrisinho, eu sinto até um arrepio. O que você tá armando, hein?” . Sem pensar muito, Veridiana diz que ela quer mais do romance com Luciano. “O que eu tô querendo dizer é que eu gosto do Luciano, ele é lindo… É o cara perfeito pra minha primeira noite de amor!”, revela. Site da Globo

A insistência, e a superficialidade da abordagem, além de perpetuar o mito, da felicidade eterna nos relacionamentos, se sua “primeira noite de amor” for uma maravilha, é baseda em fatos falsos, se concluir o que é, e quem é perfeito para isto ou aquilo. A ponto de que cheguei a conclusão ironica, de que o fracasso na “primeira noite de amor”, talvez seja a explicação para tantas mulheres malsucedidas na atualidade.

Os motivos para a primeira noite, é sempre baseado na superficialidade, típico da juventude, mas, não do gênero feminino. Sei da influência hormonal, porém, deveria haver maior seriedade na abordagem do tema. É verdade também, que a juventude anda desemparada moral e eticamente, mas, aproveitar o momento para insistir com a baixa qualidade já é um exagero; não se vê, ou eu não vejo, movimento de ONGs, MP, e outros orgãos reguladores para investigar, ao menos, a qualidade dos programas, que deveria ter o objetivo de INFORMAR e TRANSFORMAR, e não DESINFORMAR e perpetuar falsas idéias e conceitos.

Além disso, há a clara confusão entre as palavras AMOR e SEXO. Noite de amor, é sinonimo de NOITE DE SEXO. Compreendo o uso da palavra AMOR, como sinonimo, apesar de discordar.

“O casal estava tão frustrado com tantos problemas tentando sua “primeira vez” que já tinha até desistido.

Mas Gustavo, percebendo a aflição dos amigos, conseguiu o principal para os pombinhos: um lugar calmo e favorável para o amor.”

Percebam este inicio! Estamos num momento importante da situação sexual dos nossos jovens. Doravante, além da busca pela felicidade, haverá também aflição pela primeira vez, frustração, destempero, angústia, pânico, e não vai tardar suicidio por não acontecer a “primeira noite de amor” antes dos 14 anos de idade, fazendo com haja entre nós, jovens paranóicos, e infelizes por não ter conseguido ter sua primeira noite de amor nesta época.

Há também a tentativa de trazer para o debate, se isto fosse mesmo um debate, o desejo feminino, como sendo algo normal e da fisiologia humana. Veja abaixo a descrição de mais uma cena que vi:

Após Gustavo dizer para Débora que quer dar um passo adiante no relacionamento deles, a vilã acha que o rapaz está falando da primeira vez dos dois. Então, ela compra uma camisola bem sexy, a fim de enlouquecer o namorado, e se consulta com sua ginecologista, para estar preparadíssima…

Quando Débora abre a porta para Gustavo, ele fica surpreso com o visual ousado da gata. “Eu quero que a nossa primeira noite seja perfeita”, diz ela, já se insinuando. Imediatamente, o rapaz desperta do transe e se toca que a nojentinha entendeu tudo errado. “Eu tava falando… Disso aqui”, fala Guga, dando uma aliança de compromisso para Débora.

A gata não consegue disfarçar a decepção, mas usa a oficialização do namoro para avançar na intimidade da relação. Com os braços ao redor de Gustavo, ela joga todo seu charme. “A gente tá sozinho em casa, Guguinha. Vamos aproveitar a noite? Fica comigo, vai?”, diz ela, toda sensual. O rapaz fica tenso. Será que ele vai resistir à tentação?

Que classe de mulher hein! Antes tal comportamento era típico do genero masculino, mas aqui, há uma inversão nos papeis. Ele quer compromisso. Ela quer sexo. O assunto merece mais do que esta banalização permitida em horário da matinê, e será que como pais teremos força para ensinar o contrário?

Anúncios

6 comentários em ““A primeira noite de amor”

  1. Adão,
    A coisa está ficando feia, amigão. Hoje em dia ninguém namora mais, eles “pegam”. Tenho uma filha adolescente e tento passar para ela meus valores. É muito triste ver meninas de 13 anos com vida sexual ativa apenas pq o contrário é cafona.

  2. Adão, meu queridão…

    A pobre e bonitinha Angelina (inexpressiva) era namorada do Gustavo (um chato), mas Débora (mimada e má) conseguiu separá-los. Angelina, sozinha, coitadinha, perdeu a virgindade com o Bruno (tem pegada o moço), mas continuava apaixonada pelo Gustavo (um mané). Acabou engravidando do Bruno, mostrou os conflitos de uma gravidez na adolescência, a imaturidade de ambos, a união forçada, a separação. E ao final, o Bruno continua sendo o gatinho do colégio e a Angelina e Gustavo se mandaram para o exterior para continuar os estudos e criar o filho que Angelina teve com o Bruno. A Débora? Sei lá…anda dando uma de santa na novela das 18hs.

    Não vejo nada demais em novelinhas tipo Malhação. De vez em quando eu até assisto. Elas são voltadas para um público em sua grande maioria na faixa etária dos 14 aos 17 anos, em idade escolar de ensino médio e quase pré-vestibular. E ela, apesar da maioria dos personagens serem de classe média alta, retrata muito bem esse universo estudantil, de grupinhos, joguinhos, amiguinhos, tribos. Quem de nós não se envolveu nesses jogos quando erámos adolescentes? Quem de nós não tentou conquistar o garoto mais bonito do colégio ou a menina mais popular? Quem de nós não sonhou em perder a virgindade com fulano ou beltrano? Seria muito mais chocante se a novelinha retratasse o universo nada romântico das classes mais pobres e que acontece em escola pública. Infelizmente a Vênus Platinada perde o tom e não sabe falar ou escrever sobre ou para os pobres.

    O sucesso de Malhação, nesses quase 14 anos, se deve realmente ao fato dela ir de encontro a esse universo. Os jovens reais se identificam com os personagens fictícios, ou seria ao contrário? Creio que as famílias é que andam fechando os olhos para o crescimento, amadurecimento e dúvidas que cercam seus filhos. Fazendo com que a mídia televisiva supra erroneamente essa lacuna e complemente um ensinamento que não é o seu dever, pois o dever da televisão é entreter e informar.

    Diálogos como esses que você apresentou acontecem o tempo todo na vida real. Meninos bons ou cafajestes existem na vida real e se tornam homens bons ou cafajestes. Meninas assim também existem na vida real. Algumas são tão vilãs e românticas que engravidam achando que vão segurar seu príncipe encantado para o resto da vida. Outras sonham em casar de véu e grinalda, outras não estão nem ai para tudo isso – só querem estudar. Meninas que se tornam vilãs e serão vilãs para sempre. Mas, ás vezes, a vilã se torna uma boa moça e mãe de família. Ou uma boa mãe de família e ainda muito má como mulher. Quem vai saber?

    A arte imita a vida ou a vida imita a arte? Eis a questão que talvez Nelson Rodrigues soubesse responder melhor.

    Beijos meu querido !! Viu? Não te abandonei. Somente falta de tempo mesmo.

    – Ir ao encontro, quer dizer aproveitar que estamos na descida e empurrar? kkk Não concordo é criarem mais um jugo para gerações futuras.

  3. Hoje em dia todo cuidado é pouco.. os hormonios da galerinha jovem nn sao iguais da galerinha velha… correm mais e qndo ver extrapolam…é ter cuidado mesmo… Abraçao

    Eu gostaria de que minha esposa tivesse tido uma filha, só pra saber se eu saberia educar uma menina. Menino-homem, tenho provado que até o momento eu sei!

  4. Eu não assisto a novela “teen”, alias não assisto novelas.

    Mas é uma banalização do sexo, e como a Letícia bem disse, ainda bem que só tenho homens, me frustraria muito ver minha filha se jogando em cima dos garotos… parece bolo em fim de festa …todo mundo mete a mão….

    Na grande maioria das vezes a primeira vez, tanto para garotos e garotas não é essa coisa toda.

    E como o Murdock bem falou, sexo se faz, amor se sente… nem sempre estão juntos. Tem gente que nem sabe o que é amor… Boa semana.

    Obrigado querida! Eu assisto vários programas, novelas e séries. Vejo que há uma enorme tendência aos maus costumes, a baixa qualidade moral e ética. E tudo faz parte do plano: quanto mais jovens sem direção moral e ética, mais fácil se domina.

  5. Acho que a última cena quis justamente modificar o estereótipo do cara querer sexo e a mulher compromisso. Infelizmente, ao fazer isso com a vilã da história, coloca as mulheres que querem sexo como as más, vilãs.

    Acredito que não se faz amor, fazemos sexo. O amor a gente sente.

    Achei interessante seu ponto de vista, essa mitificação da primeira vez e também ela ser colocada como um objetivo a ser buscado e mais um item necessário para a felicidade e o sucesso. Uma primeira vez ruim é associado ao fracasso na vida sexual, sentimental, amorosa, pessoal.

    Abr

    De hoje em diante, quando assistir TV você verá o quanto se repetem esta frase. Parece um bando de frustrado da primeira noite de amor, tentando evitar uma tragédia na atual geração.

  6. Adão,
    as pessoas podem até achar que sou machista… Mas a bem da verdade é que dou graças a Deus de ter só filho homem! Adão menino, o que assisti nesses ultimos dias de feira do livro, foi a própria malhação ao vivo! Os alunos iam para a feira em horário de aula para além de comer crepe e algodão doce… Dar uns amassos atrás das bancas. Tô te falando… Me apavorei! As meninas… Olha vou te contar, os meninos nem precisam se mexer elas vão lá beijam na boca e ainda pedem para ficar com o amigo do lado, depois as discussões sobre com quem vai transar a noite, fico apavorada! Abraços

    É mesmo questão de criação. Nem de educação. Pais e mães do ocidente, tem abandonado os costumes, a moral e a ética dentro de casa, deixando que o filhos aprendam estes valores fora de sua influencia. Sobre este comportamento das meninas, escrevi noutro texto semanas atrás. É mesmo assim como você descreveu.

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s