Assuntos Aleatórios

Ela não soube pedir!


O texto abaixo, foi extraído do livro: As 100 melhores histórias da Mitologia*. O texto conta a história da paixão e amor da deusa Aurora por um jovem chamado Titão.

Eu já conhecia a história. E noutro livro que li, diz que a deusa Aurora, é a deusa responsável para trazer-nos os raios do sol a cada manhã… por isto o seu nome: Aurora.

Numa destas pré-manhãs, em que ela trazia mais um dia, ela viu o jovem Titão dormindo sobre a relva, e apaixonou.

Ela se encantou a tal ponto pelo lindo Titão, que houve dia, que mesmo saindo mais cedo, o amanher ficava mais longo, pois ela ficava enamorando-o dormindo sobre a relva. É um dialogo entre Aurora e a Lua que estava por perto naquele amanhecer. Eis abaixo o que aconteceu:

Abre aspas: “ 

— Lua, minha amiga, como vai você?

— Olá, Aurora! Já chegando?

— É, sei que é um pouco cedo ainda, mas permita que eu permaneça um pouco ao seu lado, meio escondida,enquanto não chega a minha hora de tomar o seu lugar no céu.

— Claro, querida, você sabe o quanto eu gosto de sua companhia. Apenas lamento não podermos ficar mais  tempo juntas, pois quando você chega eu sempre devo me retirar.

— É verdade. Mas hoje eu decidi vir um pouco antes para colocarmos finalmente nossa conversa em dia.

— Que ótima idéia! Diga-me, então: como tem sido a sua vida?

— Bem, agora tem sido bem mais feliz do que nos últimos tempos.

— E seu belo marido, Titão, como está?

— Bem, não exatamente como antes…

— Como assim, Aurora?

— Ora, você não soube da desgraça que se abateu sobre nós?

— Desgraçai Não sei de desgraça alguma. Faz tempo que não nos falamos.

— A verdade é que fui eu a causadora involuntária da infelicidade que desceu sobre nós. Mais sobre meu marido, é verdade, do que sobre mim. Mas também sofri durante muito tempo as conseqüências de meu terrível descuido.

— Não estou entendendo nada, Aurora. Comece do começo.

— Está bem, vou tentar explicar o que houve, partindo do meu casamento.

— Sim, o seu casamento com Titão eu lembro perfeitamente. Nossa, que belo rapaz ele era. Até eu fiquei tentada a roubá-lo de você!

— Sim, de fato Titão era um belo rapaz, amiga Lua. Era, porém.

— Era? Conte de um vez. O que foi que houve?

— Você deve saber que ele era um mortal como outro qualquer, quando nos conhecemos.

— Sim, lembro perfeitamente. Ele era, se não me engano, filho do rei de Tróia.

— Exatamente. Nossa felicidade era quase completa. Nos amávamos intensamente, mas eu tinha esse pesar secreto que me inquietava o tempo todo, a ponto de me tirar o sono. O fato de Titão não ser imortal, como eu. Assim, apesar de toda a nossa felicidade, eu sabia que um dia teria de perdê-lo. Certa vez, após uma noite de intenso prazer, decidi ir falar pessoalmente com Júpiter. Pedi a ele que concedesse a imortalidade para meu esposo: "O Júpiter, peço que torne minha felicidade eterna, como é a sua ao lado de sua esposa Juno, que é imortal como você, e…"  "O que você quer exatamente? Deixe de rodeios", Júpiter me interrompeu, grosseiro como  sempre. "Gostaria, deus supremo, que você concedesse a Titão o dom da imortalidade!" — pedi. Mas antes não o tivesse feito, pois sem saber o condenava a uma vida de horrendos sofrimentos.

— Por quê, Aurora?

— Bem, após muito insistir, consegui obter de Júpiter o que queria.

— E a partir daí você e Titão foram felizes para sempre.

— Melhor dizer infelizes para sempre. No começo fomos, de fato, imensamente felizes. Tão logo transmiti a novidade para ele, fomos tomados por uma alegria sem limites. "Imortal, Aurora! Imortal como você!", ele dizia, pondo as mãos à cabeça. Durante o dia inteiro comemoramos.

No começo, de fato, éramos ambos jovens e dispostos, com todos os meios para gozarmos de uma vida intensa e proveitosa. Assim fomos vivendo, sem nunca enjoarmos um do outro, pois nossos corpos e almas gozavam da mais perfeita juventude e vitalidade. Um dia, porém, percebi, enquanto jantávamos, um fio de cabelo branco luzir sobre sua têmpora direita. Como fosse apenas um fio isolado, levei isto à conta de uma banalidade. De repente, porém, longos fios de prata começaram a se espalhar no meio daquela selva de negros cabelos, tirando um pouco da sua antiga beleza. Assustada, pensei comigo mesma: "Meu Deus, será que Titão tornou-se mortal novamente?". Decidi, por isso, visitar Júpiter novamente para saber o que estava acontecendo.

"Não há nada de errado", disse ele, secamente. "Mas como, se vejo meu querido Titão envelhecer a cada dia que passa, diante de meus olhos?!", exclamei, sem compreender. "Sim, e daí?", disse, completando com esta frase que me desarmou: "Ora, você pediu para ele o dom da imortalidade e não o da eterna juventude!".

Ai, amiga! A partir daí acabou o meu sossego. Como podia ser de modo diferente vendo dia a dia meu adorado Titão envelhecer e perder aos poucos a sua antiga virilidade? Cada vez mais sua cabeça foi se tornando grisalha; os músculos de seus outrora rijos braços pareciam agora murchar, deixando em seu lugar apenas pelancas flácidas que balançavam a cada movimento seu: seus dentes, antes brancos e sadios, começaram a se estragar, tornando-se amarelados e frouxos. Ah, Lua, foi horrível… E pior de tudo, talvez, era ver que eu não podia acompanhá-lo em sua decadência.

— Oh, não diga isto, Aurora! A saúde é sempre preferível, em qualquer circunstância!

— Mas se eu pudesse compartilhar com ele da sua decadência física, fazendo-me velha, também, quem sabe não teria sido mais justo? Ao menos ele estaria mais consolado, ao ver que ambos rumávamos para o mesmo destino!

— Não pode o sofrimento de alguém acarretar a melhora de outro sofredor O martírio
inútil é o mais insensato dos remédios, cara amiga, e aquele que exige tal sacrifício de alguém não
passa de um fraco e de um egoísta.

— Sim, eu logo compreendi isso. Mas tentava, de alguma forma, incentivá-lo, lhe dizendo: "Vamos, Titão, faça ao menos um esforço para prolongar a sua saúde e a sua juventude". Mas Titão perdera o ânimo. Já não era mais o mesmo de antes. Incapaz de suportar o seu fado, começou a exigir que eu me acabasse também, que me fizesse velha e feia como ele.

Minha natureza, a princípio disposta a acompanhá-lo no seu negro fado, logo se rebelou. Na verdade ele ainda teria muitos anos de vigor e força, se fizesse um esforço para recuperar sua antiga forma — ou algo que se aproximasse daquilo. Mas em vez de fazer isso em favor de si, preferiu partir para o caminho inverso, ou seja, o de anular a mim tornando-me tão gasta e decrépita quanto ele. Quando compreendi isso, mudei meu ponto de vista, pois eu, com toda a certeza, não agiria desse modo em relação a ele.

— E fez muito bem, Aurora. Cada qual tem de ser capaz de carregar o seu fardo, seja ele qual for. Se você fica cega, certamente não é cegando aos demais que resolverá o problema.

— Bem, seja como for, com o passar dos anos todos os seus dentes começaram a ruir, e a sua mente principiou a dar evidentes sinais de senilidade. Titão tornava-se cada vez mais um velho ranzinza e resmungão — e, o que é pior, destinado a nunca morrer! Embora isto pareça cruel, devo admitir que já não via mais naquele velho nem a sombra do que fora o meu amado Titão. Era uma outra pessoa, completamente outra. Isto já era uma crueldade, comigo e com ele, eu pensava. Os mortais ao menos têm a bênção da morte quando a velhice se torna um fardo intolerável, enquanto ele estava destinado a suportar todo aquele horror para sempre. Tudo isto eu pensei mil vezes. Você sabe, fiz o que pude, mas aí chegou um tempo em que não consegui
mais. Chega um ponto em que a gente também quer viver.

— E aí, o que você fez com ele?

— Bem, um dia ele perdeu os movimentos dos braços e das pernas — todos os movimentos, enfim… Não podendo mais suportar sua rabujice, tentei ainda insuflar-lhe um pouco de coragem. Mas como dar coragem a alguém que sofre de maneira contínua, se nem a esperança do descanso essa pessoa tem?

— Aurora, para ser franca, eu nunca vi um velho suspirar pela morte.

— Nem eu, na verdade. Bem, o fato é que não havia mais como suportar a presença daquele pobre homem, convertido num espantalho de si mesmo. Como era duro ver seus dedos finos como os de uma galinha deslizarem por sobre o branco colar remanescente de sua antiga cabeleira, arrancando tufos inteiros que lhe ficavam grudados às unhas…

— Sim, e o que resultou disso tudo, então? Ainda está com ele em casa?

— Não, esta é a última parte da história. Um dia, tomei a decisão de falar novamente com Júpiter e pedir que ele ao menos pusesse um fim ao sofrimento de meu marido, retirando-lhe a imortalidade, que para ele se tornara horror e maldição. Júpiter disse que não podia fazê-lo, pois a imortalidade era um dom divino. "Quem se tornou uma vez imortal não pode jamais deixar de sê-lo. Isto seria um contra-senso e eu acabaria sendo causa de escárnio", disse Júpiter, que nesse dia estava com uma boa vontade surpreendente. "No entanto, permitirei que ele se transforme num outro ser, libertando-o desta forma decaída. Faça a escolha, e ela se realizará
automaticamente", disse ele finalmente. Mais consolada, retornei para casa.

Qualquer coisa era preferível a ser uma múmia privada de movimentos para todo o sempre, pensava, enquanto refazia o trajeto. Tão logo cheguei, entrei no quarto e flagrei-o escutando, com um sorriso que exprimia um resto de prazer, uma cigarra que, pousada no galho de um árvore, cantava com um alarido impressionante. "Antes fosse eu esta cigarra", disse Titão, deixando escorrer do canto de sua boca um fio de saliva. "Que assim seja, meu querido!", disse ao seu ouvido.

No mesmo instante suas formas ressequidas desapareceram e vi erguer-se de debaixo das cobertas uma bela cigarra prateada, que levantou-se, rodopiando pelo quarto, e após pousar sobre minha cabeça, como que a me agradecer, sumiu-se janela afora.

— Que lindo! Quero dizer, ao menos foi uma boa solução para aquela triste situação, não?

— Sim, agora ele está bem mais feliz, com toda a certeza. Aliás, todas as manhãs acordo com o seu canto, diante da minha janela. Às vezes recebo à noite, também, a sua visita.

— Ué, e cigarras cantam também à noite?

— E quem disse que as visitas são para cantar? Mas veja, já está na minha hora! Adeus,
amiga!

— Adeus.

Fecha Aspas: “


* A. S. Franchini e Carmen Seganfredo, 2003 – Todos os direitos desta edição reservados a Newtec Editores Ltda.


Muitas lições podem ser aprendidas na história de Aurora. Você percebeu qual ensinamento? 

Vê-se a idéia, de que, mesmo no mundo dos deuses, os deuses machos são dominantes, e as deusas, mesmo sendo deusas, existe uma discriminação velada, oculta. Também existe a idéia de submissão, de obediência por parte das deusas, e também de outros “deuses menores”. Por outro lado, existem umas deusas que colocam Júpiter sob seus pés.

Mas isto, é uma outra história.


Anúncios

5 comentários em “Ela não soube pedir!

  1. Pois não adianta mudar a condição de quem se ama… Tentar adequar a pessoa, querer que ela seja igual a nós… A única coisa que pode acontecer é melhorar… Ajudar.
    Achei um ótimo texto Adão e fazia tempo que não lia sobre mitologia… Muito legal!
    Abraço

  2. Quanto ao mundo dos deuses, a ultima palavra é sempre dos deuses, expressando a vontade das deusas.

    Adão, esse comportamento está no cotidiano dos relacionamentos.
    A maioria das pessoas apaixonam-se e querem transformar seus amados e amadas em algo que as satisfaça por completo, puro egoísmo, e depois não gostam do que criam.
    A decisão de ser imortal deveria partir de Tistão, agora nada mais restara, a não ser desejar ser uma cigarra.

    Aurora não suportava a idéia de ser feliz por um tempo, ela queria felicidade eterna, foi egoísta a ponto de tornar a imortalidade um fado, que nem ela conseguiu suportar.
    Querer alguém pra si é algo desastroso, querer mudar alguém pela felicidade própria é doentio.

    “Maria não ama João se deseja nele algumas características de José, João jamais será amado se permitir que Maria o transforme, mesmo que temporariamente, em José.”

    Beijinhos

  3. Ainda bem que “Jupiter” nunca ouviu as minhas mais tolas preces, vontades, desejos. Estou com Renata…desejos egoistas. Mas mesmo assim, ela soube se arrepender e seu arrependimento gerou o maior dos amores – a liberdade, o bem estar, o não sofrimento.

    Beijos meu querido!!!
    Bom final de semana para ti !!!

  4. Pra mim o maior ensinamento foi que temos que pensar muito bem no que estamos pedindo. Porque a princípio sempre quereremos uma solução imediata aos nossos problemas sem pensar no futuro, nem nas consequências.

    Gosto muito de mitologia.
    Talvez eu coloque um livro desses na minha lista de próximas leituras…

    Bjs e bom final de semana!

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s