Relacionamentos, casamentos e contratos · Vidas

Isso, elas não aceitam!


– Por favor! – Disse ela, com aquele jeito especial e que quase ninguém lhe dizia não.  Só eu,  “uma única” vez. – Pede Adão para passar aqui na loja que eu tenho um assunto para tratar com ele.

Lá fui eu afoito e imaginando pelo caminho a trabalheira que seria ter que descobrir os problemas da rede da empresa.

Depois de uns 30 minutos de vai-e-vem, cercaram-me as três mulheres da empresa, a saber: Rô, Fê e Alê.

– Eu já sei que você é de câncer, o mesmo…

– Sei! Sei! Pula essa parte de que eu e ele temos o mesmo signo e aquilo que eu gosto, é aquilo que possivelmente ele gosta. Você sabe que eu não acredito em horóscopos. – Avisei!

– Tá seu bruto! Vou logo direto então. Como é que você gosta de fazer sexo?

– O que ? – Perguntei admirado e com um zilhão de pensamentos na cabeça.

– Deixa de ser retardado e me responde logo: Como é que você e sua mulher faz sexo? De quando em quando tempo acontece? É todos dos dia? É sempre na cama? É papai e mamãe, é o feijão com o arroz? Ela faz boquete, você faz oral nela? É isso!! Me diz ai?

Olhei-a de cima a baixo. Ergui-me e com calma perguntei:

– Pra que você quer saber?

Ela voltou com a conversa inicial, que era porque eu e o namorado dela eramos do mesmo signo, que nascemos no mesmo periodo, temos as mesmas ascendêcia, etc, etc, etc. Então, respondi-lhe tudo. E quando eu já estava saindo, ela ainda saiu com esta:

– E anal? Rola um analzinho entre vocês? – Era esse o foco de tanta curiosidade.

– Não! Nunca teve não!

– Quantos anos de casados?

– Quase 10!

– E porque nunca aconteceu? Você que nunca quis? Ela que nunca deixou? É a religião que proibe? Porque nunca rolou?

– Nada disso. Nunca aconteceu porque, eu me conheço. E logo no primeiro ano de casado expliquei-lhe dos desejos masculinos, e orientei-a quando acontecesse algo dessa natureza comigo, o que ela devia dizer e como agir e reagir.

– Como assim ? – Ai ela deu aquela risada que só ela sabia dar e perguntou escandalosamente:

– Você ensinou a sua mulher a não dar o cu quando você quisesse? – As colegas riram e sussurraram: É louca!

– ÉHH!! Porque?

Ela quis saber o que eu tinha ensinado para ela. E se ainda funcionava e valia depois de tantos anos.

– Ainda funciona. – Disse-lhe Mas, mesmo assim ela quis saber o argumento. O que eu dissera para ela que ainda funcionava por longo tempo. Admirou-se de ser apenas uma frase de um livro. (Ah! Como os livros ensinam!!!)

“Não é amor puro e santo o que leva a esposa a satisfazer as tendências animalescas do marido, com prejuízo da saúde e da vida. Talvez seja necessário insistir humilde e afetuosamente, mesmo com risco de o desagradar, em que ela não pode rebaixar o corpo, cedendo a excessos sexuais.” ( Mente, Caráter e Personalidade (Vol. 1) – (Português))

Apesar de haver hoje, acesso a uma grande nuvem de informações, ainda há muita violência sexual. Sei que o assunto é controverso. Vou reproduzir algumas opiniões de amigos e amigas:

“Se eu não quiser o dela, ela diz que eu não fiz nada!” – Afirmou um amigo próximo – Porém, reconheceu ele: é uma tara dela, e desconheço outras mulheres que tenha tal tara. É uma raridade! – Concluiu.

Meu argumento é fisiológico. Não uso o dela, não acaricio, não passo o dedo, não beijo, não faço nada! – Disse outro amigo, que mora em T. de Freitas. – Inclusive, ele quando me disse isso, abanava o nariz dizendo: O lugar Fede!

Na Rádio Caraíbas FM 100,7 – A melhor da web – encontrei uma mulher que disse nos: Não sei o que vocês tem contra! Afinal é uma área tão erogena! Tão cheia de novas sensações e muito sensivel. Eu sempre gosto!

Uma de minhas cumadre, para impedir o impeto do cumpadre, cedeu aos apelos, e no momento dele, ela foi baixando a mão, acariciando-lhe as nádegas, e desceu aqui, mexeu ali, e foi enfiando-lhe o dedo e ele pulou acolá dizendo: Tá me estranhando mulher! O que ela respondeu: Se você gosta tanto, experimenta pra ver como é!

Sei que tem umas que usam destes expedientes para fechar a boca de alguns e poder dirigir tranquila.

Há quem diga, e diz bem: “Se quando estou ressecado, o negócio doi para sair, imagine para entrar” – Porém, JB, ouviu lá no salão da Bete um bate-papo entre algumas mulheres:

– Pode até doer, mas faço tudo para ele não ter que procurar outra que faz. – Disse a mais animada.

A outra já veio com a solução pronta.

– Nós compramos na internet o “kit ku”

– Kit o que?

– Kit Ku, que foi desenvolvido para melhorar uso da região.

– Ah! Táh! Tem esse tal de kit-ku… eu prefiro que ele procure outra, mas “o meu”, ele não tasca. – Disse uma senhora.

Quando se muda os rumos 

Os que se dizem heteros tem um enorme carinho pela região; um maior carinho e, ou melhor, uma maior proteção com a região deles! Gostar até se gostam, mas, ninguém pega nos deles.

“O Coisa” um amigo antigo, diz: “quando menino, dei por um pão. Hoje, nem por uma padaria” – A mesma opinião do Jorge Kajuru. Mas, devo lembrar que há piadas sobre a situação da maioria feminina que abomina tal prática, ou seja, nunca deram por pão ou por padaria.

J. Antônio, diz que se trata da área do corpo masculino que a mulher mais tem ciúmes, e alfineta dizendo:

– Você até conhece mulher que perdoa o marido que saiu e manteve relação sexual com outra mulher, mas, não conheço nenhuma, que aceitou o marido quando descobriu que ele deu o “caneco” ! Aahaa Nêgo!!! Isso, elas não aceitam!

No fim é mesmo como cantava os Mamonas Assassinas:

Te falei que o pediatra é o doutor
Responsável pela saúde dos pé

O zoísta cuida dos zóio e os oculista,
Deus me livre, nunca vão mexer no meu!

Por outro lado, elas, apesar de não aceitar deles tal conduta,  já ouvi perguntas do tipo:

– Se você acha que é bom, porque não usa o seu?


Anúncios

4 comentários em “Isso, elas não aceitam!

  1. Ó… Sei não… Não saio por aí perguntando sobre a vida sexual dos meu amigos. Posso até comentar com uma ou outra amiga. E só.

    Você, né AP… você é AP, e tem seu estilo… classica, “phinna”, entretanto, eu conheço tantas pessoas diferentes e que você acharia engraçado, estranho e tantas outras coisas de certas pessoas… você nem imagina o que eu ouço nesta minha jornada…. você nem imagina!!! Além de ler muita coisa sobre vários assuntos… Um dia desses posto outros textos de captura de MSN, ai você vai ver !!!

  2. Que viagem !!! Mas viajarei contigo nessa maioneses surubática!!

    Adão, qualquer forma de discussão em relação a sexo, ou atos sexuais é saudável. Principalmente quando se trata de posições ou preferências, desde que esteja entre um grupo de pessoas de confiança e inteligentes. Nem sempre o prazer de um é o prazer de outro, nem mesmo entre os casais.

    O sexo anal é tabu inclusive entre os meninos, isto é, eles gostam de explanar sobre as bundas femininas e os miseréis que fazem com ela. Mas quando o assunto são as suas bundinhas, então, o silêncio impera no “curral bovino” (como diriam as vacas). Em verdade, vos digo: não é uma das minhas zonas erogeneas preferidas, nunca fiz, nunca vou fazer e não me interessa fazer. Não acho um órgão propicio para me dar prazer e para ser extremamente cruel, acho um orgão sujo. E odiaria ter que fazer para agradar alguém que amo. Sempre disse não e sempre foi bem aceito.

    Dia desses, no carro, com duas figurinhas machistas e caçadores, discutimos sobre isso. Eles ficavam tagarelando sobre suas peripécias sexuais e eu dirigia e só ouvia. Em determinado momento, quando o assunto beirava ao sexo anal, eles reagiram negativamente quando falaram que várias meninas já tentaram fazer com eles. – Como assim? Sou macho !! Se tentar leva porrarda.

    Tive que me meter no papo alheio, pois meu ouvido não é penico e não sou motorista particular de ninguém para ficar ouvindo insanidades e ficar calada. Falei sobre os motivos do homem gostar de carinhos na região anal, do prazer localizado proximo a prostrata, entre outras coisas. Os meninos ouviam silenciosamente, riam a la Mutlley e ao final concordavam, mas com restrições à forma que a mulher se chega na conquista desse espaço masculino proibido. Eles disseram tipo assim: tudo bem eu faço, mas tem que saber pedir.

    Mas o que é proibido entre quatro paredes? Na intimidade de uma alcova ? Desde que o prazer seja saciado, então tudo é permitido. Cada um com seu cada um.

    No meu caso sempre disse não, mas nunca encontrei resistencias em todas as minhas curiosas tentativas. hahahahahaha. Inclusive, um dos meus companheiros de viagem, já havia sido meu paquerinha e ficou muito sem graça quando eu disse que nunca ouvi um não. Num instante ele calou a boca e mudou de assunto.

    J. Antonio? Diz para ele que a teoria dele não funciona comigo. E desde quando o homem vai assumir que deu o furufô dele para alguém?

    Ahhhhh Adão … esse assunto é tão tabu para os meninos que muitos ainda morrem pela burrice de não fazer um exame de prostrata. Mas na hora do bem bom, muitos não estão nem ai para isso.

    Qual a diferença entre ter prazer e ter saúde ??

    Beijos meu querido
    Bom final de semana com muita luz e paz !!!

    *** Obrigada por suas visitas no blog de vôo livre. Valeu !!! Infelizmente o ventinho não anda ajudando muito. Mas tudo ao seu tempo certo, não é mesmo ???

    Pra mim, não é tabu… é só não mexe no de ninguém. E concordo com você que o lugar é sujo. Quanto a J. Antônio, pense um pouco e então responda:
    – Você continuaria com seu namorado depois de encontrá-lo com um outro na cama durante ou depois de uma relação entre eles?
    O que é proibido entre quatro paredes? Muita coisa… basta ferir a direito individual dela ou dele passa a ser proibido. Direitos individuais assegurado não pode ser violado, mesmo entre 4 paredes…
    O prazer nem sempre produz saúde… ou discorda que usar certos tipos de droga dá prazer mas destroi a saúde?

  3. kkkkkkkkkkkkk………
    So você mesmo para abordar esse assunto…..
    Uma vez assisti uma briga de duas mulheres por um homem, a amante gritava aos quatro ventos da terra com orgulho o que ela fazia com o homem que a esposa não fazia, e a esposa so dizia que se dava o reipeito e que mais tarde ela não ficaria em casa presa a um desarranjo intestinal…..

    Coitado do homem acho que seu maior desejo naquela hora era nunca ter feito tal coisa, pior a multidão não o deixava separar a briga queriam saber mais detalhes……. Eu lá assistindo e imaginando quanta falta de amor proprio.
    Concordo com o vinicius é um assunto pessoal demais pra ser abordado com alguém que não pretendemos fazer sexo…..

    ha ha ha ha Ô Sarah, constrangedor mesmo hein… mas, quem não gosta de assistir um barraco??? È interessante, como as pessoas jogam a farinha no ventilador nalguns momentos, não é mesmo?

    Quanto a Rô, ela não era do meu tipo. Eramos, e fomos amigos até o dia que ela morreu, não muito tempo depois deste caso.

  4. sinceramente rs…
    acho que depois de toda essa historia ela tava era dando em cima de você viu rs…
    abraços

    Lamento informar-te que a nêga Rô não dava em cima de mim…
    a nêga era baixinha, gordinha, e só pegava homens bonitos.
    O pai dos dois filhos dela, tenho que reconhecer, um homem muito
    bonito… porte elegante, olhos azuis, voz bonita… a nêga devia
    ser muito boa de cama…

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s