Relacionamentos, casamentos e contratos

Era para ser diferente


Assumo que tudo em casa gira em torno da mulher-esposa-mãe. O centro do lar é de fato a mulher-esposa-mãe. É ela quem deve dirigir a casa. Na natureza são raros os casos em que o macho é responsável pelo ninho.

E a mulher, como fêmea que é, também é responsável pelo ninho. Desde muito cedo, os povos do crescente fértil sabem que “… deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne”. Gen 2:24. Entretanto, essa verdade se perdeu ao longo dos anos da instalação capitalista, e do mundo consumista atual, que exigiu mão de obra qualificada e barata.

Por isso, se tem muitas mulheres trabalhando onde outrora só havia homens. Estando as mulheres no lugar dos homens, estes estão sem o trabalho para cumprir sua tarefa. Pois, quem em sã consciência deixará de pagar uma mulher, que é mais estudada, mais maleável, mais dócil, mais gentil e mais outros itens, para contratar um homem com menos estudo, e em muitos casos, tendo que pagar mais?

Homens e mulheres ainda não aprenderam, que, por mais importante e detentora de diplomas, e outras coisas, mulher em casa deve ser sempre mulher e o seu propósito, é determinado, na fisiologia do ovário e do útero. Assim, como em nós homens, por outras funções necessárias, determinadas pelos hormônios e desejos.

Os homens, tem perdido muito, ao não aprenderem, que ainda que a mulher seja a gerente administrativa na empresa, em casa, ela é mulher, e ainda assim, exala o seu hormônio para o acasalamento. Entretano, se usa tanto boticario, natura, via-frança, entre outros, que quase nunca os macho são atraídos pelo cheiro do acasalamento. O que é puramente físico, trocou-se por algo abstrato e díficil de ser observado: sentimentos. 

Se estabeleceu uma crise tamanha entre homens e mulheres, que tem havido muito mais competição entre nós, do que pontes para ligar-nos uns aos outros.

Muitos consideram que tenho um relacionameno perfeito. Ah! se voces soubessem o que eu sei! E muitos nos perguntam a fórmula, o segredo, o que é que nós fazemos de especial. As perguntas que mais respondo são as seguinte:

  • Qual o segredo do seu relacionamento? 
  • Como é que vocês conseguem?

Não existe segredo. O nosso relacionamento dá certo, porque não acreditamos na maioria dos ensinamentos que se alardeam por ai, como sendo o caminho (Não acredite nisso!).

Não casamos para “amar e ser amados”. Nos casamos, como objetivo primário, de termos uma família. Nós já amavamos e eramos amados. Não foi, na troca de alianças que tudo começou. A troca de alianças foi a continuação. E vos garanto, que muitos tentaram ser feliz até o dia que casou. Depois dai!!??, …. se contam uma outra história.

Sempre dizemos que não casamos por amor. Casamos com o propósito único de termos uma família, e a mantermos custe o que custasse. Porém, ao londo desse caminho, descobrimos que é quase impossível, duas ou mais pessoas vivenciarem tantos momentos e não haver sentimento algum. Os sentimentos mais nobres nasceram entre nós. Bastou termos objetivos comuns e trilhamos este caminho.

Aqui, nós nos guiamos, mais por ações práticas do que por ações sentimentais. O sentimento e as emoção, não são dispensáveis, aliás, fazem parte constante de nossas vidas, mas, não porque os colocamos como prioridade. Elas brotam do que praticamos e fazemos um pelo outro, e por tudo que representa.

Tudo parte e nasce de ações e não só dos sentimentos. As ações geram sentimentos e tais sentimentos fazem brotar novas ações, criando assim, um circulo de ações-sentimentos-ações-sentimentos.

Já tivemos decepções quando depositamos confiança exagerada no sentimento egoísta: “Eu tenho que ser feliz!” 

Nós não seguimos regra do tipo:

  • Deixe recadinho carinhoso na porta da geladeira;
  • Diga ao menos uma vez ao dia: eu te amo;
  • Dê flores a sua esposa;
  • Na mesa e na cama; é assim que a esposa segura o marido.

Testemunhal: 

Quando voltei para minha terra natal, Nanuque – MG, um amigo me disse que eu estava  “criando um cobra” – e em breve – “você vai se arrepender!”. Ele se referia a maneira como eu convivia e lidava com Kátia. A maneira dependente e independente que nós sempre tivemos.

Dependência:

Kátia sempre dependeu de mim em vários aspectos. Talvez o principal seja mesmo o financeiro. E, em contra-partida, como um meio, dela, não se tornar refém dessa situação, ela é quem comanda as despesas da casa. Afinal, é a mulher quem deve saber o que a casa precisa; o que o marido precisa; o que os filhos necessitam… Se faltar algo, ela sabe a quem recorrer.

Tenho um livro de história que tem a seguinte frase: “Nos outros povos, os homens mandam nas mulheres, mas nós os romanos, que dominamos sobre todos os homens, em casa somos mandados por nossas mulheres” Aqui em casa é assim que funciona.

Eu posso ser o leão, o rei da selva! Mas quem caça para manter o bando é a leoa. É ela quem determina, os rumos da família. É ela quem diz o nome das crianças; ela quem detemina a casa que ela quer, a cor dos móveis, a roupa que será comprada.

Eu, sou responsável por outras coisas que ela diz que sou.

Independência:

Kátia sempre teve indepêndencia de idéias e de atitudes. Muitas vezes, ela toma uma decisão sem minha opinião. -Era esta parte que meu amigo se referiu – Depois, ela me comunicava, e por mais díficil que fosse, e até hoje (foram poucos os casos que fui contra a decisão dela),  e mesmo sendo contra, era e ainda é, o que se realiza.

Não é só ela que é independente, eu também sou. Fazemos este jogo político. Você apoia o meu projeto e eu o seu. É a fêmea que é responsável pelo ninho. E cabe ao macho, as atividades proposta pela dona do ninho. As mulheres devem aprender a ser submissas aos homens. E não só isso, devem aprender o poder desta submissão. Quem descobrir, jamais quererão ser mulheres modernas, independentes de pais, irmãos e maridos; desde que saibam usurfruir os poderes conferidos ai.

Garanto que a maioria assistiu Casamento Grego, mas não aprenderam a lição.

Há algumas regras muito particular entre nós:

  • Ela não é minha amiga;
  • Eu não sou amigo dela;
  • Ela não tem que contar tudo dela para mim; (Não sou seu confidente. Somos parceiros. Somos sócios num empreendimento chamado: Família)
  • As amigas de infância dela, certamente sabe detalhes da vida dela, muito melhor do que eu. Mas, isto? Isto não é da minha conta.
  • Quanto ao pessoal: o que ela gosta, não deve ser necessariamente o que eu gosto; ela gosta de homens, eu não! Entretanto, noutros aspectos, por exemplo, do tempero dela eu gosto e ela também.);

A natureza está repleta de exemplo de machos e fêmeas vivendo em perpetua união, e cada qual realizando suas tarefas, sem que isso diminua um ou outro.

  • As leoas caçam e alimentam o bando;
  • O leão organiza, lidera, torna o grupo respeitado;

Perguntas aos homens:

  • Quem dos homens fazem o sacrificio do Louva-Deus por sua espécie?
  • Que homem esta disposto a sucumbir ante a realização de sua rainha, como faz o zangão?

Era para ser diferente, mas alguém azedou nossas relações. Quem foi?


Anúncios

8 comentários em “Era para ser diferente

  1. Fabiana:
    ———————————

    Grato por sua opinião.
    Talvez eu tenha facilidade em conduzir meu/nosso
    casamento, por que ao longo de 17 anos de minha vida
    dediquei-me a area social, aconselhamento
    e acompanhamento de famílias e casais com
    problemas diversos.

    Pude, mediante os bons exemplos adapta-los a
    minha realidade, e pude também obter conhecimento
    para poder evitar erros que outros cometeram,
    mas, ainda que tenhamos muita coisa boa,
    há nossos percalços… Mas, no geral, passamos 4, 5, 6 meses
    sem problemas e algo que agrave nossa relação.

    Uma das regras que é DELA é a seguinte:

    – Se você quiser, você pode todos os dias
    dormir onde quiser, mas no dia que rolar uma
    briga, uma discussão, um rolo: os dois tem que
    dormir no mesmo quarto, dormir na mesma cama

    Entendo-a…

    As vezes lá na cama acontece algo, e um relação,
    faz-nos mesmo com a briga, passar por cima,
    como nos filmes e novela mesmo!!!

    Porém, há homens e há mulheres que são uma
    verdadeiras equações de 2º grau, e é muito
    complicado você encontrar o x, y ou o z da questão.

    Nestes casos, não há regras boas… e cabe
    a cada um, ou cada uma, resolver a questão,
    ou deixa-la sem solução.

  2. Ana Paula
    ————————–
    As regras servem para delimitar ações;
    Elas servem para proteger, se bem, que há certas
    regras que fazem mais mal do que bem

    As regras não são escritas…. então, o que vale mesmo
    é o dia-a-dia… algumas regras caem no esquecimento

    Outras são instituida para estarmos
    sempre juntos.

    Uma das regras que sigo, é que
    todos os dias tenho que reconquista-la…

    Por falar em reconquista, ela hoje, amanheceu com uma
    carinha de adolescente… lindinha… fofa… cheirei-a
    dizendo: Bom dia… minha garota!!!

    Mesmo quando não regras, elas surgem…

  3. Adão:

    1) Também tenho dificuldades
    com o WordPress…

    2) Sobre o comentário:

    *Você e sua esposa são especiais.
    Amar também é cuidar…
    E vocês não se esqueceram
    de cuidar um do outro.

    *Concordo plenamente com você,
    se referindo a confiança:
    Sem confiança não existe
    relacionamento verdadeiro.
    Qundo você falou que não existe
    igualdade na natureza,
    eu acrescentaria que a beleza
    está nas diferenças.
    Sei que devemos aprender
    a conviver com elas…
    Mas isso nem sempre é facil.

    *Vocês estão certos de dividirem as tarefas.
    A responsabilidade é de ambas as partes.
    A responsabilidade
    é também uma prova de amor.

    *O leão e a leoa, sabem exatamente o seu papel
    na natureza e na preservação da espécie.
    O homem e a mulher, não sabem.
    Mas estão tentando…

    Obrigada por compartilhar comigo suas idéias
    e me deixar participar do seu espaço.
    Um abraço.

  4. Sarah….
    ————————–

    Eu sou uma contradição. Enquanto penso e também negociei que ela não trabalhasse fora de casa (ação retrógrada), também incentivei-a terminar os estudos, financiei os estudos dela, e ela vai para festas e lugares indepentemente d´eu como marido aceitar, gostar, ir ou não a certos lugares que ela sempre gostou de ir quando solteira.

    Não é porque estamos casados que a personalidade dela morre, sucumbe ante o compromisso feito. Pelo contrário, sempre digo a ela:

    – Viva sua vida. Faça o que gosta e vai aonde gosta de ir. Não desejo, nunca ouvi de você que sua vida acabou por que esteve casada comigo.

    Ela gosta de festa. Eu não. Eu as vezes a levo e a busco nas festas. Eventualmente, mediante acerto, vou e permaneço na festa o tempo que ela desejar, mas não é uma regra que eu tenha que estar lá, ou que ela não possa estar o tempo que desejar.

    Lembra da minha reclamação das festas? Pois, então, enquanto eu ficava aqui com as crianças, ela estava lá. Dançando e vibrando com o forro, e o remelecho. Não sei com quem. Sei que só chegava na manhã seguinte, pois as bandas começavam as 23:00 e só terminava ao amanhecer.

    Ciúmes e desconfiança? Não as tenho. Penso que se pode enganar por algum tempo, não por todo o tempo. Há colegas e amigos e amigas, que sempre perguntam: E você deixa? Ele não desconfia não?

    Pô, vou casar com a pessoa, e ela não pode mais sair sem mim que já vai encontrar outro cara? E se ela o fizer? Divórcio existe para acabar casamentos. Eu confio.

    *Juli *
    ————————————
    1 – Já copiei a imagem, e estou relacionando os blogs e os amigos, mas tá díficil porque todos que enumerei já tem a figurinha lá.
    2 – Não conheço bem o wordpress a ponto de modificar e incluir ainda algumas coisas que desejo, mas tá na agenda.

    Sobre o comentário:

    Podemos até ser mais complicados do que leões, mas o alvo da citação, é a diferença de atividades. Eu não acredito em igualdade. Não existe igualdade na natureza, nem na vida. Somos desiguais, e devemos viver com estas.

    Entretanto, é assim que se nos impõe. Creio na diversidade e na pluralidade, e me reserso o direito de aceitar ou recursar um ou outro ou ambos, a depender do caso.

    Você acertou: há muito respeito entre nós. Cada um com sua tarefa, e quando não somos habeis o suficiente, apelamos para um ao outro.

    Aqui, em casa, há regras. E há situações. Os meninos recorrem a ela e a mim. Ela recorre a mim, e eu a ela.

    Agora por exemplo, que ela estava tendo dificuldades com as matérias escolares, assumir a função. Antes eu só ajudava. Agora não. Agora é minha função fazer as tarefas e acompanhar as tarefas escolares dos meninos.

    Apesar de saber que ela pode e as vezes precisa trabalhar, depois de algum tempo em negociação e também em experimentações, decidimos que o melhor é mesmo ela não trabalhar. Porém isto não significa que ela não faça nada, cuidar do lar é tão arduo, e as vezes muito mais trabalhoso do que fora dele.

    Agora que estamos sem uma auxiliar:

    1 – O dinheiro que pagariamos a esta, vai para o bolso de Kátia;
    2 – As tarefas são divididas. Ela cozinha. Eu lavo. Ela lava. Eu tiro do varal, e por ai vai.

    Isso, é assim, por uma razão muito simples: eu moro nesta casa. È minha responsabilidade também zelar por ele. Porém, é ela quem manda no ninho. É ela quem decide.

    Já passamos por períodos ruins. Mas temos vencido. No último dia 26/11/2006 ela começou a apresentar um problema…. e tive que cuidar dela com esmero. Levava-a para o banho. Pentiava-lhe os cabelos. Lixava os pés, trazia manicure e pedicure, levava-a ao salão… e muitos da família pensaram e afirmaram que eu a deixaria… que mal juizo fizeram de mim…. lutei tanto por ela, e agora perder por causa de uma doença… ôpái ó!!! ela já tá boa…

    Grato pela poesia… linda!

  5. Querido amigo Adão:

    Concordo quando você disse que tem havido
    muito mais competição do que pontes,
    entre homens e mulheres.
    Penso que nós seres humanos
    somos muito mais complicados
    do que os leões e as leoas.
    Nas suas regras, percebi que existe
    algo maravilhoso entre vocês,
    que se chama “respeito…”
    O respeito a si mesmo e ao ser amado.

    Todo relacionamento deve gerar crescimento.
    Muitos relacionamentos fracassam,
    porque as pessoas se acomodam
    e se entregam a rotina.
    Não conversam mais, não namoram mais,
    NÃO INVESTEM MAIS NO RELACINAMENTO,
    não sonham juntos, não se preocupam em saber
    o que seu companheiro deseja.
    Se esquecem que o amor é como uma plantinha,
    precisa de cuidados, todos os dias.
    E que o importante não é só estar juntos,
    mas olharem juntos na mesma direção…
    O respeito é basico e fundamental.
    “Conviver é uma arte difícil”
    Não existem regras específicas.
    Palavras o vento leva…
    ATOS VALEM MAIS QUE PALAVRAS.

    •¸.•“´•ஆঔ•`“•.¸•ஆঔ•¸.•“´•ஆঔ••`“•.¸

    QUANDO VOCÊ GOSTAR DE ALGUÉM:

    “Goste de alguém que te ame,
    alguém que te espere,
    alguém que te compreenda
    mesmo nos momentos de loucura.
    Goste de alguém que não te traia,
    que seja fiel, que sonhe contigo,
    que só pense em ti, no teu rosto,
    na tua delicadeza, no teu espírito;
    E não só no teu corpo, nem em teus bens…
    Goste de alguém que te espere até o final,
    de alguém que sofra junto contigo,
    que ria junto a ti, que enxugue tuas lágrimas,
    que te abrigues quando necessário,
    que fique feliz com tuas alegrias
    e que te dê forças depois de um fracasso.
    Goste de alguém que volte
    para conversar depois da briga,
    depois do desencontro.
    De alguém que caminhe junto a ti,
    que seja companheiro,
    que respeite tuas fantasias, tuas ilusões.
    Goste de alguém que te ame.
    NÃO GOSTE APENAS DO AMOR,
    GOSTE DE ALGUÉM
    QUE SINTA O MESMO POR VOCÊ…”
    (Desconheço o autor)

    •¸.•“´•ஆঔ•`“•.¸•ஆঔ•¸.•“´•ஆঔ••`“•.¸

    Um abraço.*Juli*

  6. Que lindo adão……..
    Era ese tipo de relacionamento que eu tentei descrever em Amor por Eu e Ela.
    Mas acho que também não faria diferença se ela fosse indepedente financeiramente, vai do foco de cada um, a mulher pode ter uma otima carreira profissional e o foco na familia, conheço muitas assim, não deixaram de lado aqueles conceitos de familia tidos como antigos, mas não abrem mão de ter sua independencia financeira.
    E as regrinhas? Show………..
    “Ame o outro como ele quer(precisa) ser amado” muita gente ainda não entendeu isso.
    Ainda não encontrei um homem que pensasse no casamento assim, talvez até tenha encontrado mas deixei passar.
    Se a submissão da qual vc fala tem poder????? Põe poder nisso.
    Confesso que ja usei muito em causa propria, ai não tem graça. É muito bom fazer um homem pensar que ele está no comando, mas esta parte eu não concordo, não tem que haver isso, até por que um finge que manda outro finge que obedece, começa a hipocrisia, a manipulação.
    mas tenho certeza que não é a submissão que eu entendi quando li que vc esta falando, poderia ser trocado por outro termo.
    Ele decide sempre pelo melhor, ela visa sempre o melhor para a familia, e vc confia nisso cegamente mesmo não concordando o que foram poucas vezes, e ela comunica por reispeito a confiança nela depositada, por reispeito ao homem que é socio no empreendimento FAMILIA, por reipeito ao amante, ao marido.
    Não acho que submissão seja a palavra.
    bjs

Comentar este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s